Projetos

2010

Mar [Fragata]

Fragata é uma exposição individual ocorrida no MAC Niterói com curadoria de Guilherme Bueno, com Fragata (uma série de desenhos em papel carbono em que figuravam navios da frota marinha brasileira), a instalação Previsão (vídeo em monitor de segurança) e o livro de artista Mar.


Horizonte à deriva

Fragata reúne desenhos feitos com e a partir de folhas de carbono, um livro-objeto e um vídeo. Vistos lado a lado, poderíamos considera-los paisagem; imagem e espaço continuamente se mesclam, manifestando-se por desconcertos: é a escolha de uma paisagem enviesada (os navios encalhados, quebrando qualquer encanto), a imagem que só existe como reprodução (visto que até o desenho original nasce em papel feito para cópia), o ritmo da exposição, que, como as ondas, vaga entre partes mais densas e outras na qual o vazio prevalecente parece espelhar um afastamento rumo ao horizonte.

Ali o vazio é apropriado como espaço e tempo, fazendo-o tornar-se narrativa: a travessia do olho percorrendo os “acidentes” da imagem (traços diversos deixados pelo autor; o desenho é marco e vestígio) e os “abismos” entre um trabalho e outro ao longo da galeria invocam no espectador a ansiedade por encontrar um ponto de olhar seguro. Imagem à vista...

Há, assim, uma lógica mais do que imagética, fotográfica nestes trabalhos, por conta de sua “temporalidade”, que defronta a paisagem “real” e aquela outra ali mostrada (que anda tem de registro, pois não nasceu de nenhum contato direto, tendo sido, ao contrário, montada desde o início por simulacros, reproduções para lá de codificadas). Mas também, naquilo que se calcula uma proposital neutralidade expressiva, invertendo o desejo de toda a imagem de ser marcante. Ora avançando, ora recuando, sobrepondo-se, “afundando” ou dissolvendo-se nas brumas do papel, alguns desenhos, progressivamente, por vezes não nítidos, em outras quase invisíveis. Captura de metáforas à deriva, daquilo que é só há um tempo e imperceptivelmente presença e desaparição. Ao abolir qualquer chance de drama, ela é uma imagem apesar de si mesma. E a folha de papel, o imenso oceano que tudo engole.

Guilherme Bueno

fotos: vicente mello.